8 de outubro de 2016

Reciclando com Eletrônica: (re)inventando o cotidiano

RECICLANDO COM ELETRÔNICA: SABERES ESCOLARES (RE)INVENTANDO O COTIDIANO
Rui Zanchetta Fernandes Corrêa

RESUMO:
“É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer”. Essa frase, cunhada por Aristóteles, está longe de ser datada dos dias atuais, o que nos mostra que a importância dada ao fazer, nas mais diversas situações, não é ideia nova. Nossos antepassados experimentavam, criavam, erravam e recriavam, até encontrarem as melhores maneiras de realizar determinadas tarefas, construindo, assim, conhecimentos nas mais diversas áreas. Então, por que hoje a educação se distancia tanto da experimentação? Os alunos não fazem Ciências, eles recebem uma Ciência pronta, elaborada e testada por alguém, e perdem, assim, o prazer da descoberta, e também do erro. Eles poderiam ter um olhar construtivo sobre o erro, mas ele se torna indesejável, uma vez que todo o caminho de fazer Ciências é ignorado, e o final da história é contado logo no começo. Levantar hipóteses e testá-las para validá-las (ou não) não faz parte do cotidiano da maior parte dos alunos. E é nesse contexto que apresento este minicurso, apoiado em uma metodologia de aprendizagem baseada em projetos, mais especificamente, STEM (Blikstein, 2011), e orientada pelo conceito de Aprendizagem Criativa (Resnik, 2006 ), amplamente divulgado pelo MIT. O minicurso: 1) iniciará com uma contextualização sobre o Movimento Makers e sua importância para a implantação de propostas de aprendizagem baseadas em projetos, a partir do olhar pedagógico dado às práticas propostas pelo Movimento; 2) contará com o levantamento de problemas que os participantes observam em seu cotidiano; 3) propiciará que os participantes desenvolvam um protótipo que solucione algum desses problemas, utilizando materiais recicláveis (como papéis) e eletrônicos.

PALAVRAS-CHAVE: Experimentar. Aprendizagem baseada em projetos. Aprendizagem Criativa.

 


voltar