10 de outubro de 2017

SIAC 2017

 

NÓSOUTROS 

Grupo de Pesquisa Linguagem em Atividades no Contexto Escolar (LACE) convida a todos para o 9° Simpósio Ação Cidadã  – SIAC, que será realizado em São Paulo, nos dias 01 e 02 de dezembro, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, à Rua Monte Alegre, 984 – Perdizes.

Atualmente, vivenciamos um momento bastante crítico em nível local e global. Um momento no qual os discursos de ódio sobrepõem-se aos de confraternização, o individualismo encontra-se acima da colaboração, a opressão, a violência e as reações desiguais ocorrem a torto e a direito. No entanto, para irmos na contramão disso tudo, nós, do Grupo LACE, definimos que o SIAC 2017 versará sobre o tema “nósoutros”. Mas, afinal, o que significa esse conceito?

 

 

Primeiro, é necessário frisar que nosso primeiro contato com essa palavra surgiu a partir da visita à exposição fotográfica “Nósoutros” (2015) de Bob Wolfenson, aqui, em São Paulo, na Galeria Millan (Jan-Fev, 2017). Nela, o fotógrafo retratou transeuntes de várias metrópoles aguardando o sinal verde para atravessarem a rua. Segundo Wolfenson, “a postura compartilhada de meros pedestres esperando o sinal abrir os tornava semelhantes, ao mesmo tempo que figurinos e tatuagens, anatomia, cor da pele e atitude (euforia ou introspecção) os distinguia”. Assim, o artista expressou, com a fotografia, o que apontou como “um dos mais marcantes paradoxos do ser humano […]: o de ser igual e diferente, o desejo de pertencer a um grupo e ao mesmo tempo querer se distinguir dele”.
Inspirados nessa proposta, nós, então, adotamos o “nósoutros” com o intuito de refletirmos sobre o “nós” e o “outro” em nossos contextos de estudo e atuação: Atividade Social, Brincar, Colaboração crítica, Formação cidadã, Formação de formadores, Libras, Multiletramentos, entre outros. Procuramos voltar nossos olhares à unidade- totalidade espinosana, que nos direciona e nos torna seres responsáveis e responsivos, e a nosso entendimento de desenvolvimento como processo coletivo que acarreta mudanças no curso de vida de cada um, cruzando fronteiras entre mundos distintos.

Assim, “nósoutros” passou, também, a se voltar para a questão do cuidar, da empatia, da compaixão e da alteridade. Também começou a abarcar o esforço de vivermos e tentarmos compreender as realidades, as perspectivas e as emoções uns dos outros, valorizando o que se tem em comum, bem como as potencialidades que as diferenças podem gerar. Esse é o caso, por exemplo, da troca informada de ideias e de opiniões para expandir o que se conhece.
Este ano, o foco do SIAC recai, portanto, nas formas de se existir no mundo, nas maneiras como o “eu” e os “outros” se relacionam ao reconhecerem suas diferenças e ao negociarem com elas. O intuito é compartilhar jeitos de combater a violência e a indignidade como os diferentes costumam ser tratados, buscando formas mais justas de se viver em sociedade.